O medo e a nicotina caminham lado a lado

Existe uma ideia errada, comumente aceita, de que nós escolhemos fumar. Os fumantes não optam por fumar, assim como os alcoólicos ou drogados não optam por adquirir tais vícios. É verdade que escolhemos acender aqueles primeiros cigarros experimentais. De vez em quando eu resolvo ir ao cinema, mas certamente não escolhi passar a minha vida inteira ali dentro.

Em O Método Fácil de Parar de Fumar, publicado pelo selo Bazar Editorial, da Edipro, Allen Carr descreve o medo que as pessoas têm de parar de fumar. Quando elas acreditam não estar prontas para largar o vício é o medo de encarar este processo. Livrar-se desse medo leva ao êxito, que até parece um passe de mágica para parar de fumar.

Segundo o autor, existe o medo de sofrer, o medo da euforia, da abstinência, de passar muito nervoso após largar o vício. Quando as pessoas decidem parar de fumar, sempre pensam que passaram por um longo período de infelicidade, e temem que os eventos sociais não sejam agradáveis.

O vício mantém os fumantes concentrados, e ao pararem de fumar sempre acreditam que não conseguirão alcançar o nível necessário de concentração. Também não sabem como irão lidar com os momentos de estresse com a mesma confiança que a “muleta” – cigarro – oferece.

O fumante acredita que poderá perder até algumas características de sua personalidade e, um dos mais fortes receios é que passe o resto da sua vida ansiando por um cigarro nos momentos difíceis.

Se você está receoso ou sente que este não é o momento para parar de fumar, posso lhe garantir que tudo isso é provocado pelo medo. Esse medo não é amenizado pelo cigarro, mas causado por ele. Você não decidiu cair na armadilha da nicotina.

Allen Carr aponta o medo como um dos maiores empecilhos para parar de fumar e ajuda as pessoas a superá-lo em O Método Fácil de Parar de Fumar, publicado pelo selo Bazar Editorial, da Edipro. O método já ajudou artistas como Isabella Fiorentino e Anthony Hopkins a largarem o vício.