Música instrumental marca o Sexta Sonora desta semana. Duo Salimanga leva ao público composições do álbum de estreia e releituras de clássicos de Pixinguinha, Ratinho, Severino Araújo entre outros

O violão e o saxofone são os destaques da penúltima edição do Sexta Sonora do ano, pelas mãos de BC e Paulo Rogério. A dupla forma o Salimanga e venceu a categoria Melhores Instrumentistas no prêmio “Melhores da Música Brasileira”, em 2015, ao lado de nomes como Yamandú Costa, Gilson Peranzeta, Rogério Caetano e Eduardo Neves. Ex integrantes do grupo Móveis Coloniais de Acajú, o duo, hoje, executa composições próprias que misturam ritmos brasileiros como samba, choro, frevo e baião a ritmos latinos e jazz. No show desta sexta-feira (9), BC e Paulo Rogério preparam um repertório que mescla as músicas do álbum de estreia “Quase Treze” com releituras de clássicos de Pixinguinha, Ratinho, Severino Araujo e outros grandes da música instrumental brasileira. A apresentação é às 19h30, no C’est la Vie, na 408 Sul.

O Salimanga, cujo nome nasceu de uma brincadeira com da junção de sal e manga, inusitada mistura de sabores tipicamente brasileira, foi formado em 2013, quando BC e Paulo Rogério, ex-guitarrista e saxofonista tenor do Móveis Coloniais de Acaju, respectivamente, resolveram dar vida a seus temas instrumentais com suas cordas e madeiras. “Em um mundo onde só se pensa em fazer sucesso e aparecer na mídia é difícil entender os músicos que se dedicam à música instrumental, sem o artifício da poesia: ‘não faz sucesso’. Mais incrível ainda é quando dois músicos que vivem ou viveram no sucesso dentro do universo Pop se aventuram pelo mundo da música instrumental”, disse o saxofonista Paulo Araújo.

O duo Salimanga faz este trajeto e brinda o público com um novo som, que vem da vontade de compartilhar música e levar essa arte transformadora para a degustação da plateia. “Salimanga – sal e manga – nos remete à infância, tempos de felicidade, de liberdade e de esperanças. Já é um sucesso verdadeiro que talvez não toque no rádio ou na televisão, mas que, certamente, vai tocar nossa alma e nosso coração”, afirma o violonista BC.

O álbum de estreia, “Quase treze”, tem a direção musical do saxofonista Sérgio Galvão e priorizou a espontaneidade dos instrumentistas para dar voz aos temas nele inseridos. O nome do disco veio de uma brincadeira com uma música que trabalha uma harmonia quartal em um compasso ternário, com momentos de 5/4. A soma dos números é 3,4 e 5 é 12, ou seja, quase treze.

Serviço

Show do Salimanga
Data: 09/12
Horário: 19h30
Local: C’est la Vie Bistrô & Creperie
Endereço:CLS 408, Bloco A, loja 05, Asa Sul
Informações e Reservas: (61) 3244-6353
Couvert: R$ 10
CI: Livre