Musical infantil, ganhador em São Paulo dos prêmios APCA e FEMSA 2013, conta a história da música erudita brasileira para crianças.

Sucesso de crítica e público, o musical infantil “Operilda na Orquestra Amazônica” conta de maneira lúdica a história da música erudita brasileira e já foi encenado mais de 230 vezes nas regiões sudeste e nordeste e assistido por mais de 50 mil espectadores.

Vencedor em 2013 dos Prêmios APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte), como Melhor Musical Infantil, e FEMSA na Categoria Especial pela divulgação da música erudita e folclórica, a divertida montagem conquista a atenção de crianças e adultos. Tocando ao vivo, os músicos interagem com a plateia e com a personagem principal para mostrar que a música erudita não é uma arte de difícil acesso. A direção geral é de Regina Galdino, com direção musical do maestro Miguel Briamonte.

O musical conta a história de Operilda, interpretada pela atriz e autora Andréa Bassitt. Ela é uma bruxinha engraçada e apaixonada pelo Brasil e tem uma missão: contar a história da música erudita brasileira para as crianças, em apenas uma hora. Se conseguir, vai ganhar uma orquestra completa só para ela. Para isso, sua tia Opereta lhe dá uma camerata de seis músicos eruditos e Livrildo, um livro mágico que vai ajudá-la. Ao longo do espetáculo, Operilda passeará por diferentes ritmos musicais, estilos e compositores para conseguir cumprir a sua tarefa.

Em cena, Andréa Bassitt se apresenta ao lado dos músicos Elaine Giacomelli (piano), Cássia Maria (percussão), Clara Bastos (contrabaixo), Paula Souza Lima (violino), Joca Araújo (clarinete e flauta) e Evandro Bezerra (trombone). O repertório traz composições de nomes históricos da música erudita brasileira, como Alberto Nepomuceno, Padre José Maurício, Carlos Gomes, Villa-Lobos, Camargo Guarnieri e Guerra-Peixe, e da música popular, como Ernesto Nazareth, Chiquinha Gonzaga, Xisto Bahia e Tom Jobim, além de canções de origens folclórica, africana e indígena brasileiras. Já o cenário, assinado por Marco Lima, traz referências à Floresta Amazônica com resoluções lúdicas e encantadoras.

PERFIS

Regina Galdino (diretora) – Formada pela EAD, foi uma das criadoras da série “Aprendiz de Maestro”, na Sala São Paulo. Dirigiu “Os Saltimbancos” e “A Arca de Nóe”, com a Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, a ópera “Idomeneo”, no Teatro Municipal de São Paulo, e os espetáculos “Intimidade Indecente”, “As Pontes de Madison”, “A Reserva”, “As Turca” e o premiado “Memórias Póstumas de Brás Cubas”.

Andréa Bassitt (atriz e autora) – Formada pela EAD, escreveu e interpretou os espetáculos teatrais “As Turca”, “Filhos do Brasil” (Prêmio Shell de Melhor Música) e “As Favoritas do Rádio” (Prêmio Jornada Sesc de Teatro). Fez parte da série de concertos infantis “Aprendiz de Maestro”, na Sala São Paulo, como atriz e autora. Atuou em “Os Saltimbancos”, com a Banda Bixiga 70. Criou os textos de “Mar de Gente”, de Ivaldo Bertazzo. Escreveu os roteiros da ópera “Idomeneo” (Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo) e de “A Arca de Noé” (Banda Sinfônica do Estado de São Paulo), onde também atuou, ambos dirigidos por Regina Galdino.

Maestro Miguel Briamonte (diretor musical) – Fez orquestrações para a Filarmônica de Jena (Alemanha), Sinfônica Municipal de São Paulo, Sinfônica de Porto Alegre, Orquestra Experimental de Repertório, Orquestra Sinfônica de Curitiba, Orquestra Sinfônica de Recife, Orquestra Jovem de Santo André, entre outras. Foi diretor artístico dos concertos de Diana King e Milton Nascimento, com a Orquestra HSBC. Fez a direção musical de espetáculos como “Cats”, “A Bela e a Fera”, “Chicago”, “O Fantasma da Ópera”, “Sweet Charity”, “Mademoiselle Chanel”, “Hair”, “Priscilla” e “Rainha do Deserto”.

Marco Lima (cenário) – Responsável pelos cenários e adereços do musical, que remetem à floresta brasileira. É um dos profissionais mais qualificados no mercado cultural. Seus trabalhos mais recentes são: Canção dos Direitos da Criança (Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem 2015), A Famosa Invasão dos Ursos na Sicília (Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem 2014), Eu era tudo pra ela e ela me deixou, direção de Mira Haar (cenografia), Pedro e o Lobo, direção de Muriel Matalon e Jucazécaju, direção de Carla Candiotto.

Ficha técnica

Texto e pesquisa: Andréa Bassitt
Elenco: Andréa Bassitt, Elaine Giacomelli (piano), Cássia Maria (percussão), Clara Bastos (contrabaixo), Paula Souza Lima (violino), Joca Araújo (clarinete e flauta) e Evandro Bezerra (trombone).
Direção Geral: Regina Galdino
Direção Musical: Miguel Briamonte
Cenário e Adereços: Marco Lima
Fotos: João Caldas Filho
Iluminação: Newton Saiki
Programação Visual: Regilson Feliciano
Produção Local (DF): Desvio Produções Culturais – Elisa Mattos – 98245-6885
Realização: Oasis Empreendimentos Artísticos

Serviço

TEATRO: CAIXA Cultural Brasília ǀ Teatro da CAIXA
Dias: 12, 14 e 15/10, às 17h e dia 13/10 às 18h.
End.: SBS Quadra 4 Lotes 3/4 Edifício anexo à Matriz da CAIXA
Tels: 61 3206-9448 ǀ 61 3206-6456
Preços: R$ 10,00 e R$ 5,00 (meia-entrada para estudantes, professores, maiores de 60 anos, funcionários CAIXA, clientes CAIXA e doadores de alimentos não perecíveis, roupas, brinquedos, etc.).
Lotação da sala: 406 lugares.

Bilheteria: de terça a sexta e domingo, das 13h às 21h, e sábado, das 9h às 21h. Contato: (61) 3206-6456
Duração: 1 hora.
Classificação: Livre (indicado para crianças a partir de 5 anos)