Sucesso de público e crítica, Para Tão Longo Amor de Maria Adelaide Amaral, uma das mais conceituadas escritoras brasileiras, autora de novelas como os sucessos “Os Maias”, “Anjo Mau” e “A Lei do Amor”, traz aos palcos uma relação conflituosa que desencadeia em reflexões profundas sobre o amor.

Com direção dos premiados Yara de Novaes e Carlos Gradim e grandeatuação de Regiane Alves, indicada ao Prêmio Shell por este trabalho, a atriz quecompõe o vasto elenco de bons atores da teledramaturgia da Rede Globo foi destaque nas novelas “Laços de Família, “Mulheres Apaixonas” e “A Lei do Amor”. Já o seu parceiro de cena Leopoldo Pacheco, é um multiplo artísta e um conceituado ator de teatro tendo ganhado inúmeros prêmios durante a sua trajetória. Na televisão atuou em “Belíssima”, “Beleza Pura”, “Paraíso”, “Ti ti ti”, “Cheias de Charme” e “Joia Rara”.

Para Tão Longo Amor trata dos limites (quase ilimitados) de uma paixão entre um homem maduro – Fernando, um grande editor – e uma jovem poeta, Raquel. Fernando ama Raquel, que ama quem a rejeita e se empenha diligentemente na sua própria destruição. Uma história de amor emocionante que abre espaço para risos, lágrimas, reflexão, surpresas, e toca o público pela capacidade de identificação.

Até quando um homem pode amar, suportar, conceder e se humilhar para não perder a mulher amada, mesmo que ela seja seu oposto e se degrade diante dos seus olhos? Em meio à turbulência, a poesia pontua essa história de amor e compaixão.

De referências múltiplas e unindo passado e presente com referências da literatura, “Para Tão Longo Amor” é inspirada em grandes poetas como Sylvia Plath, Ana Cristina César e Florbela Espanca. A estética do espetáculo também traz influência do filme francês “Betty Blue”, drama francês de 1986, e do livro “Servidão Humana”, obra-prima de Somerset Maugham (1915). Escrita há 23 anos e vencedora de prêmio no 18º Festival de Teatro de Portugal, quando foi encenada no Porto, nos anos 90, a peça é ambientada no universo da literatura. Atemporal e contemporânea, aborda a apaixonada relação entre editor renomado e poeta outsider, com citações de Camões, Rimbaud e Álvaro de Campos (heterônimo de Fernando Pessoa), entre outros.

A adaptação de Maria Adelaide de “Para Tão Longo Amor” para os dias atuais revela o grande conflito de alguém querer salvar outra pessoa que não quer ser salva: “O Fernando tem o propósito de salvar a Raquel dela mesma não só pelo amor que tem por ela, mas pelo amor que tem pela literatura. Ele não suporta vê-la se perder como poeta e pessoa. É também uma forma de salvar o que ele mais ama na vida, que é a literatura”, revela a autora.

 

Serviço

DIA: 10 DE JUNHO SÁBADO
HORÁRIOS: ÀS 19H E 21H
TEATRO ROYAL TULIP (500 LUGARES)
(SHTN Trecho 01 Conj. 1B Bloco C – Brasília DF)
Ingressos à venda na Central de ingressos do Brasília Shopping, Belini pães e gastronomia 113 sul ou com cartões no site bilheteriadigital.com
R$100,00 a inteira e R$50,00 a meia entrada.
Doe 1kg de alimento e pague meia.
Classificação: 14 anos

Ficha Técnica

Texto – Maria Adelaide Amaral.
Direção – Yara de Novaes e Carlos Gradim.
Elenco – Regiane Alves e Leopoldo Pacheco.
Cenário – André Cortez.
Iluminação – Aurélio de Simoni.
Figurinos e Visagismo- Leopoldo Pacheco
Trilha Sonora – Dr. Morris
Fotografia e programação visual – Pino Gomes.
Preparação Corporal para cena – Daniela Carmona..
Direção de Produção – Cássia Villasbôas e Fernando Duarte
Produção: NOVE Produções Culturais
Realização – Dupla Face Promoções
Produção em Brasília:DECA Produções